17 Janeiro 2018

Facebook

Crawford-Horn-Mundine-Pacquiao-Alvarado. Como fica essa história? | Blog Blog do Daniel Fucs

Crawford-Horn-Mundine-Pacquiao-Alvarado. Como fica essa história? | Blog Blog do Daniel Fucs

Saudações Pugilísticas.

 

Um ponto extra ringue me impressionou em Manny Pacquiao quando comecei a comentar lutas dele pelo COMBATE há alguns anos, quando o canal transmitia boxe. Percebi que apesar de uma carreira vitoriosa com títulos em várias categorias, o filipino não se importava mais em conquistar novos cinturões mundiais. Os títulos conquistados em meados da década passada foram de menor relevância, o que me levou a comentar na época que ficava a impressão serem mais importantes para ele as bolsas do que alguns tronos mundiais adicionais.

 

Penso que ainda hoje Pacquiao age dessa forma. Após a “derrota” para Tim Bradley, quando perdeu o título de forma injusta, em 2012, num primeiro momento Manny Pacquiao não quis disputar a revanche pelo cetro WBO dos meio médios, preferindo boxear com outro adversário. O filipino dizia que todos sabiam quem tinha efetivamente vencido a disputa. Ele tinha razão. Todos nós sabíamos.

 

Foi o “negócio” boxe que o fez realizar posteriormente mais dois combates contra Bradley, se saindo em ambos vitorioso sem contestação.

 

Cada vez mais envolvido na política, Pacquiao tem menos tempo para treinar, abdicando do direito à revanche que teria direito contra Jeff Horn, no final de 2017, cuja vitória do australiano por aquela mesma coroa este colunista também discorda.

 

Este motivo levou Horn a enfrentar Gary Corcoran que era o 10° no ranking WBO. Como Horn pôde escolher o adversário, precisa enfrentar agora o primeiro do ranking do organismo que é Terence Crawford, colocado nesta posição depois de renunciar ao título dos super leves.

 

Depois de pedir 4 milhões de dólares para enfrentar Crawford, Horn falou que poderá lutar contra o veterano australiano Anthony Mundine, de 42 anos, sem classificação no ranking e que ultimamente boxeia em diversas categorias de peso. Horn diz que poderá ganhar 2 milhões de dólares contra Mundine.

 

O que acontece na verdade é que enfrentar Mundine, que vem de duas derrotas seguidas e perdeu quatro de suas últimas sete lutas, será uma tarefa mais fácil para Horn do que se confrontar com Crawford.

 

Como Bob Arum informou que Pacquiao poderá voltar entre abril e maio, a equipe de Jeff Horn pensa numa bolsa fantástica para o australiano num combate Horn vs Pacquiao 2.

 

Só que para isso aconteça, Crawford e a WBO teriam que concordar com esse planejamento, sendo que o boxeador precisaria aguardar um ano para lutar pelo cinturão. Sinceramente, não acredito que a proposta seja aceita.

 

Pessoalmente, acho mais lógico um pensamento que ganha força com relação à questão: um confronto entre Horn e Crawford pelo trono WBO e outro entre Pacquiao e Mike Alvarado, como é o desejo da equipe do filipino. A conclusão que me vem à mente e que deverá vigorar, é que os vencedores de cada combate se enfrentem no segundo semestre de 2018.

Neste momento, fica difícil afirmar que o adversário de Pacquiao será Alvarado, mas é o nome mais cotado até agora.

 

De qualquer forma, Horn-Crawford e o vencedor da disputa enfrentando posteriormente Pacquiao seriam dois combates milionários e que despertariam o interesse de todos.

 

A segunda luta poderia ser a despedida de Manny Pacquiao, cujos informes internacionais indicam que concorrerá à presidência das Filipinas.

 

Leia Mais http://globoesporte.globo.com/sportv/blogs/especial-blog/blog-do-daniel-fucs/post/crawford-horn-mundine-pacquiao-alvarado.html

Clubes Associados

clubelabareda iate.png Palmeiras.png        
         serr.png          
                   
        

 

 

 

http://www.zoofirma.ru/